Página em Branco


Uma página em branco sempre dá um frio na barriga. Ao menos para mim. Abrir um novo arquivo do Word ou um novo e-mail (mais condizentes com os dias atuais) e se deparar com o cursor piscando (e esperando, quase que impaciente) pode ser uma ação trivial, mas guarda certo ritual. Qual pessoa não espera, nem ao menos um segundo, para começar a escrever? Um momento de hesitação que faz reviver algumas questões. Como eu começo? Será que eu consigo? Vale a pena?

Talvez para quem trabalhe diretamente com as palavras, como os jornalistas, isso soe mais comum. O fato é que a vida é uma sucessão de páginas em branco. Novos amigos, novos relacionamentos, novos empregos, novas escolhas, novos gostos, novos cheiros, novas emoções, novas decepções, novas dores. Principalmente, novos "eu". Algumas novas páginas são adicionadas na marra. A demissão, a morte de alguém, o fim repentino do namoro, a descoberta de uma doença, o fim de uma série (falando de Sense8...), entre tantas. No meu caso, a nova página veio com o final da faculdade. O que vem depois dela? Toda página em branco gera certa expectativa, coloca-nos em suspense.

Ao me permitir uma analogia, digo que todo dia é uma nova página em branco. Soa clichê? Sim. E o que importa? Algumas dessas laudas são mais importantes que as outras. Todas, porém, têm seu papel. Se um ano tem 365 dias, tem-se um livro ao final de cada ano. Escrever um livro é coisa séria - tanto quanto ter um filho e plantar uma árvore, já dizia o ditado. Não nos atenhamos a vocábulos difíceis, mesóclise, frases de efeito, frases longas e confusas... Só lembre-se de ter cuidado com a crase, porque ela merece respeito (e é afrodisíaca quando corretamente usada). Em geral, prefira palavras simples, mas cheias de significado.

Uma piscadela e eis a metade do ano. Estamos praticamente na metade do enredo. O que foi escrito até aqui? É bom de ler ou nem tanto? Ainda restam meses e junto com eles muitas páginas em branco a preencher. Releia o que já foi escrito e, se achar que convém, planeje uma reviravolta na personagem principal. Se já houve grandes emoções, reserve um capítulo para dias mais calmos. Cada um é autor da própria história. Não perca tempo copiando a dos outros. O prazo termina em 31 de dezembro de 2018. Ou amanhã mesmo. De qualquer modo, escreva. Não deixe em branco.

*Toda sexta-feira, às 10h, tem crônica nova aqui no blog. Gostou? Deixe seu comentário. E volte sempre!

Comentários

  1. Diante de uma página em branco vemos quão assustador é poder tudo.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Exatamente, Gugu! É amedrontador e encorajador. Mais um paradoxo da vida!
    Obrigada pelas visitas de sempre! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas